Dicas

 

“PEDALAR À NOITE É MUITO DIVERTIDO, MAS NÃO É BRINCADEIRA”

Andar de bicicleta é muito legal. Pedalar é gostoso e saudável. Ser um ciclista responsável é nossa meta. Diversas publicações nacionais e estrangeiras trazem continuamente artigos sobre a correta manutenção da sua bike e também sobre segurança ao pedalar, seja na cidade, estradas ou trilhas.

O grupo LIMEIRA BIKE CLUBE recomenda a leitura atenta destas matérias bem como a consulta de sites. Para não sermos repetitivos demais, apresentamos a seguir um conjunto básico, porém essencial, de dicas para iniciantes, ou não, no mundo do pedal.

 

TÓPICO

- ACESSÓRIOS

- CUIDE DA SUA SAÚDE

- PEDALE COM SEGURANÇA

- TRATE BEM SUA BIKE

- TENHA SEMPRE

- NORMAS E CONDUTAS NO TRÂNSITO

 

ACESSÓRIOS
1. Use SEMPRE Capacete, seja você um “Mountain Biker”  “Speedeiro” ou simples pedalante.
2. O uso de Luvas é recomendado porque temos a tendência de nos proteger com as mãos em caso de queda. Com as mãos machucadas, você não consegue estudar nem trabalhar normalmente.
3. Óculos específicos para ciclistas são bastante úteis porque evitam que qualquer sujeira ou inseto nos incomode. Instintivamente, você pode levar uma das mãos aos olhos e ficar apenas com a outra no guidão. Isto é extremamente perigoso.
4. Para ver e ser visto melhor à noite, recomendamos o uso de farol e pisca-pisca traseiro. São mais eficientes que refletores.
5. Carregue uma caramanhola (preferencialmente térmica) para se reidratar. Dê preferência à água pura ou um isotônico de sua preferência.

início 

 

 


CUIDE DA SUA SAÚDE

Antes de iniciar uma atividade física, indicamos procurar um médico de confiança e fazer uma avaliação. Muitos esportistas de final de semana, são surpreendidos por problemas de saúde e mesmo estando em atividades de esporte cotidiano, visite um médico periodicamente.

1. Não economize demais quando for comprar um capacete. Eles são projetados para absorver impactos e não para se partirem junto com seu crânio!
2. Alongue-se sempre, antes e depois da pedalada.
3. Dê preferência à alimentos leves antes de pedalar. Carboidratos e barras energéticas são mais facilmente absorvidos pelo organismo, reponde energia mais rapidamente.
4. Beba água ou isotônicos com frequência. Hidrate-se antes de sentir sede. Evite o consumo de bebidas alcoólicas e bebidas “com gás”.
5. Utilize uma bicicleta com dimensões adequadas ao seu tamanho. Fatores como altura do selim, medida do quadro, inclinação da mesa, posição do guidão e manetes de freio e câmbio são fundamentais para se sentir confortável.
6. Procure pedalar com a mente relaxada. Não abra mão da atenção, mas aproveite para fazer novos amigos. Deixe os problemas do cotidiano para depois.

 

 início 

 

 


PEDALE COM SEGURANÇA
1. Pedale no lado direito da via. NUNCA pedale na contra-mão. Na estrada, use o acostamento.
2. Cuidado com carros estacionados. Portas podem ser abertas a qualquer momento.
3. Seja previsível aos motoristas. Não mude de direção sem deixar clara a sua intenção. Procure não “costurar” nos congestionamentos e JAMAIS trafegue na calçada; elas são dos pedestres !!!
4. Não se envolva em discussões inúteis ou xingue os mais estressados.
5. Se você pedala em grupos noturnos, NUNCA ultrapasse ou fique à esquerda do guia.
6. Não execute manobras com sua bike para as quais não esteja treinado. É queda na certa.
7. Vista roupas adequadas ao clima e, à noite, dê preferência à cores mais claras.
8. Na chuva reduza a velocidade e redobre a atenção.
9. Não pedale usando Fones de Ouvido de qualquer tipo. Sua máxima atenção é necessária para evitar acidentes.
10. Lembre-se que NÃO EXISTEM EQUIPAMENTOS À PROVA DE DESATENÇÃO.

 início 

 

 

TRATE BEM SUA BIKE

Pneus
Pneus carecas furam com mais facilidade e deixam sua bike instável. Os ressecados podem se romper. Substitua-os sempre que necessário e calibre-os de acordo com as recomendações do fabricante.

Rodas
Verifique sempre a centragem dos aros e o estado dos raios. Cubos devem ser lubrificados periodicamente.

Transmissão
Coroas, catracas, correntes e pedais devem estar sempre lubrificados, mas não exagere para evitar o acúmulo de sujeira e detritos. Use lubrificantes específicos para este fim. O desgaste prematuro de qualquer destes itens, levará à substituição do jogo completo, bastante onerosa na maioria das vezes.

Câmbios
Mantenha os câmbios dianteiro e traseiro regulados para maior precisão na troca de marchas e evitar o desgaste prematuro de peças.
Jamais saia para pedalar à noite sem ter aprendido corretamente como utilizar os câmbios da sua bike.

Freios
Tenha sempre os freios bem ajustados e cheque regularmente o estado das sapatas e cabos.
Evite frear bruscamente quando estiver acompanhando um grupo de ciclistas.

Quadro
Ruídos estranhos podem significar falta de lubrificação ou sujeira. Na pior das hipóteses, podem também haver trincas na estrutura da “bike” ou problemas junto ao movimento central. Leve-a o mais rápido possível ao mecânico de sua confiança para uma checagem mais detalhada.

Direção
Mantenha apertados os parafusos junto à mesa, ao guidão e manetes, bem como verifique se há folga na caixa de direção. A perda do controle da “bike” é extremamente perigosa.

Reparos
Finalmente, se você pedala sozinho ou em grupos organizados, leve sempre consigo um kit básico de sobrevivência para não “ficar na mão”.

início 


TENHA SEMPRE
• Uma câmara de ar reserva ou “kit remendo”
• Espátulas para retirar o pneu
• Bomba de ar (com ou sem indicador de pressão)
• Chaves com medidas e tipos adequados aos componentes da sua bike
• Chave de corrente e elos sobressalentes podem ser muito úteis (principalmente se você é um ciclista que prefere pedalar sozinho)

início 

 

 

NORMAS DE CONDUTAS NO TRÂNSITO
_________________________________________________________________________

 Parte da pista de rolamento destinada à circulação exclusiva de bicicletas,delimitada por sinalização específica.
É proibido a circulação de bicicletas nas calçadas de pedestres.
Quando não houver local apropriado, o ciclísta deve utilizar o lado direito da pista,na mesma mão dos veículos.

Artigo 214 do C.T.B.-Código de Transito Brasileiro:

Deixar de dar preferência de passagem a pedestre e a veículo não motorizado que se encontre na faixa a ele destinada ou que não tenha concluído a travessia, mesmo que ocorra sinal verde para veículo ou a portadores de deficiência física, crianças,idosos e gestantes.

Infração-gravíssima. Penalidade-multa de R$191,54

As bicicletas têm o direito de circular pelas ruas, desde que não exista ciclovia,
ciclofaixa ou acostamento. É o que determina o CTB em seu artigo 58. “A circulação de bicicletas deverá ocorrer, quando não houver ciclovia, ciclofaixa, ou acostamento,
ou quando não for possível a utilização destes, nos bordos da pista de rolamento,
no mesmo sentido de circulação regulamentado para a via”. Ou seja, não há especificação de que os ciclistas devem andar exclusivamente pela faixa da direita. “Essa é uma daquelas histórias que existem sobre a bicicleta”. O CTB também autoriza a circulação de bicicletas em sentido contrário quando houver ciclofaixa, se houver autorização da autoridade.

 

Respeito

Quando transita pelas vias urbanas, o motorista deveria em tese, manter uma distância de 1,5 metro dos ciclistas. Contudo, não é isso o que se vê nas grandes cidades.
Em geral, as bicicletas são obrigadas a subir nas calçadas ou a esperar os carros e
ônibus passarem para evitarem acidentes. Todos eles deveriam ser multados, conforme o artigo 201 do CTB, que estabelece como infração média o desrespeito à distância mínima. No entanto, a aplicação da multa é praticamente nula, em razão de “a autoridade não ter uma forma de medir a distância”, explica o advogado Marcelo Araújo, presidente da Comissão de Trânsito da Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná (OAB-PR). E o artigo 214, ainda, prevê multa gravíssima nos casos em que o ciclista ou o pedestre seja desrespeitado na travessia de uma via ou em uma conversão.

 

Deveres / Equipamentos

Um ciclista deve se adequar à legislação quando o assunto tange os equipamentos.
A Resolução 46/98 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) estabelece que as
bicicletas precisam ter campainha (buzina), sinalização noturna dianteira, traseira,
lateral e nos pedais e espelho retrovisor do lado esquerdo. Há dificuldade, contudo,
em legislar sobre os equipamentos obrigatórios do condutor. O capacete, por exemplo, não é item obrigatório exigido para ciclistas. “O Contran tem competência para estabelecer os equipamentos obrigatórios do veículo, mas não do condutor”, esclarece. Apesar das interpretações jurídicas, os grupos de ciclistas recomendam o uso de capacetes, assim como de roupas claras para facilitar a visualização das bikes.

 

Mais frágil

O pedestre é o ator mais frágil do trânsito. E o ciclista deve respeitá-lo,
assim como os motoristas deveriam respeitar o ciclista. É a lógica estabelecida pelo CTB:
“Respeitadas as normas de circulação e conduta estabelecidas neste artigo,
em ordem decrescente, os veículos de maior porte serão sempre responsáveis pela
segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, pela
incolumidade dos pedestres”, diz um inciso do artigo 29 do documento que rege o trânsito.
Portanto, nas ciclovias – espaço compartilhado com os pedestres o transeunte tem sempre a preferência. De acordo com o CTB, o ciclista equivale a um pedestre quando está desmontado da bicicleta.

 

Ambos / Indenização

O Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (Dpvat) é um direito dos ciclistas quando se envolvem em um acidente com outros veículos. Cada pessoa – incluindo os pedestres – tem direito a R$ 2,7 mil de reembolso por lesões e R$ 13,5 mil (em valores máximos) em caso de invalidez permanente ou morte. No entanto, o Dpvat não é válido nas situações envolvendo acidentes entre ciclistase transeuntes. “Como não envolve veículo motorizado, não há pagamento de seguro obrigatório em nenhuma das partes”. As penas de um homicídio envolvendo bicicleta e pedestre, como causadores do acidente,
são regidas pelo Código Penal e não pelo Código de Trânsito Brasileiro.

 

 

Normas de conduta

por Cleber Ricci Anderson – guia “Bike na Rua”

As mesmas leis

Para que haja harmonia no trânsito, todos os veículos devem seguir suas leis específicas. Estarão, desta forma, falando a mesma língua, se entendendo, buscando harmonia.

Nunca na contramão

Andar na contramão é chegar nos carros mais depressa! No cruzamento, os motoristas poderão estar olhando para o outro lado. Pedalando no mesmo sentido dos carros, não existirão forças em sentido contrário, e a diferença de velocidade entre o ciclista e o carro é muito menor. Desta forma, evitaremos o choque frontal, o pior de todos.

Pela direita

A lei diz: “Veículos lentos à direita”. Ficar sempre a um metro da calçada ou de um obstáculo. Nas ultrapassagens, procurar seguir na sua faixa fazendo-as com cautela com a certeza de que os motoristas estão cientes de sua posição. Mudar de faixa somente em situações de congestionamento, quando a faixa da direita estiver obstruída, mantendo-se à direita da próxima faixa e voltando às bordas da pista logo que possível.

Entrar à esquerda

Buscar a melhor forma de entrar à esquerda. Se for preciso, vá até a calçada e atravesse como pedestre, empurrando a bike.

Controle da velocidade

Não é por sermos “apenas” ciclistas que não poderemos causar estragos. Assim como qualquer meio de transporte, devemos respeitar a mesma velocidade de um carro, ou seja, no máximo 40km/h nas ruas. Em avenidas, procurar pedalar o mais rápido possível. Não abusar em descidas.

Cordialidade

Agradecer qualquer gentileza concedida pelo motorista. Boa educação é a base para um trânsito mais saudável. Sempre que possível, ceder a vez ao pedestre. Uma bicicleta é um veículo e, assim sendo, está sujeita às leis do trânsito. Respeite as normas estabelecidas para poder exigir seus direitos!

Calçadas

Quando transitar por calçadas, portar-se como pedestre, ou seja, andar empurrando a bicicleta. Nunca estacione numa faixa de pedestres: uma bike, de perfil, ocupa muito espaço forçando-os a um caminho maior.

Evitar avenidas

O melhor caminho para as bicicletas são as ruas, e quanto mais tranquilas, melhor. Evitar avenidas é aumentar muito a probabilidade de nunca ter nenhum problema com acidentes.

Sinalizando

por Cleber Ricci Anderson – guia “Bike na Rua”

Comunicar-se no trânsito é fundamental para se proteger. Sinalize e certifique-se de que o recado tenha sido entedido e só assim mude sua direção. Assegure-se do que vem a sua frente e olhe rapidamente na busca da resposta do seu sinal.

Bike na mão – pilotagem defensiva

por Cleber Ricci Anderson – guia “Bike na Rua”

Carros estacionados

Procure passar pelo menos a 1 metro de um carro estacionado. Com alguém dentro, o cuidado deve ser redobrado: passar o mais longe possível e perceber antes se um outro veículo não está na ultrapasssagem. Não tomando estes cuidados, teremos que nos arriscar em manobras de segurança como na foto. Evite problemas.

Curvas

Numa curva, a velocidade ideal deve ser fixada no último trecho de reta antes do início da mesma.
Durante a curva, deve-se freiar o mínimo e manter a velocidade ideal, aquela em que não há chances da bicicleta desgarrar pela tangente em nenhuma das rodas. Analisar o piso com antecedência é fundamental para evitar uma queda. Lembre-se que durante a curva podem aparecer poças de água, manchas de óleo, buracos, areia, etc. Fique atento e procure não “deitar” muito a bike.

Freadas

O freio dianteiro é o mais eficiente e o mais perigoso. Deve-se ter o cuidado de não travá-lo nunca. Se a travada acontecer numa curva ou piso escorregadio, condições em que o atrito com o chão é menor, a probabilidade de um tombo é maior. O freio traseiro também diminui a velocidade, mas como o peso do ciclista é transferido para a frente, quando freamos, o eixo da roda traseira acaba suportando menos peso e a roda trava com maior facilidade, perdendo eficiência.
A freada ideal deve ser aquela em que a velocidade caia no tempo necessário e que ambas as rodas não travem. Para isso, quando tiver que frear bruscamente jogue o peso do corpo para trás, firme os braços, segure com firmeza o guidom e module os manetes para que as rodas não travem.

Rotatórias e cruzamentos

Quando cruzar o caminho de um outro veículo, diminuir a velocidade ou parar se for preciso e esperar a vez. Atravesse com a certeza de segurança.

Mudanças de faixa

Procure andar em linha reta. Evite mudanças bruscas de direção, pois assusta quem vem atrás.
Quando muda de faixa, o ciclista deve saber olhar por cima dos ombros analisando a segurança, podendo assim mudar de direção. Isso se aplica também antes de curvas e em freiadas, antes de se encostar numa calçada.
Se um carro está na ultrapassagem ou muito próximo, deve-se sinalizar negociando a manobra; não forçar a passagem, porque geralmente é melhor deixar o carro passar.
Nunca tomar a atitude de cruzar na frente de um carro sem ter a certeza de que o motorista entendeu seu recado.

Cambiando

Nas mudanças de relação não se precipite. Procure aliviar momentaneamente a força nos pedais para assim acionar a alavanca de câmbio passando uma marcha de cada vez.
Em subidas, este alívio deve ser maior, e somente fazer força total depois que tiver a certeza de que a “marcha” entrou.
Procure nunca pedalar com a corrente cruzada e quando se aproximar de um farol (semáforo) fechado, reduza a marcha para ficar pronto para a arrancada. Se não der tempo, pare, coloque um dos pés no chão, levante a roda traseira do chão e engate uma marcha boa para arrancar.

Atenção no trânsito

Ficar atento no que acontece à sua frente. Transitar numa velocidade adequada para aquele trecho. O ideal seria estar sempre na velocidade mais próxima à do fluxo dos motorizados. Num corredor ou engarrafamento, vencer os carros em velocidade moderada, desta forma teremos maior tempo de contato para demonstrarmos nossas intenções.

Na chuva

Pilotar na chuva requer cuidados redobrados. Os movimentos não podem ser bruscos. As freiadas devem começar com muita antecedência sem que aconteça o travamento e deslizamento das rodas. A distância em relação aos outros veículos deve ser maior. Nas curvas, diminuir a velocidade bem além do normal e não deitar em demasia. Se aparecer algum ponto de menor atrito, mais liso, aumentar o raio da curva e retomar ao traçado novamente com cautela.

 

início